GIGANTE SOFRENDO MAUS TRATOS !!!

Há meses este gigante (equino) vinha sendo explorado pelo seu dono que o colocava para carregar todos os tipos de lixo, entulhos e outros com uma carroça.
Além de descumprir uma lei municipal que proíbe este tipo de atividades com cavalos, na capital de São Paulo, mal o alimentava e não dava assistência veterinária necessária ao animal.
Mas não terminou ai, somado a estes fatos graves, quase toda semana, ele era pego por um grupo de moleques, que além de mal tratarem o pobre do cavalo com pauladas e pedradas, corriam com ele sem rédea e sem ferraduras em alta velocidade pelas ruas do bairro.
Foi solicitado, por alguns moradores, providências do CCZ - Centro de Controle de Zoonose, que resgatasse o animal, mas não ocorreu. Passaram-se dias e essas histórias se repetindo.

 

No dia 29 de fevereiro de 2008, por volta das 16 horas e 30 minutos, um grupo de moleques estava mal tratando o cavalo novamente. Escutei os galopes do animal em alta velocidade e a gritaria dos moleques que o conduziam. Resolvi tomar frente desta situação. Enquanto me preparava para ir atrás os moleques sumiram junto com o cavalo Mesmo assim peguei o carro e fui procurá-los. Perguntei para várias pessoas para tentar seguir a trilha deles, após uns 40 minutos encontrei os moleques e avistei o cavalo amarrado a uns 100 metros de onde se encontrava os moleques. Fui até o local, perguntei para as pessoas que estavam próximas ao cavalo se, se tratava do mesmo cavalo que os moleques estavam mal tratando. Afirmaram-me que sim e que o cavalo, inclusive, era de um dos moradores do local. Pedi que o chamasse, ele apareceu para minha surpresa. Era um indivíduo que, por volta de uns 11 meses atrás, trafegava com o mesmo cavalo em uma carroça. Parei-o no dia e informei-o que, trafegar com o cavalo em carroça não era permitido no município de São Paulo. Ele se virou e foi embora sem me dar atenção.

Mas, desta vez, estava com algumas leis municipais e federais nas mãos e passei para o mesmo e, alguns membros de sua família logo vieram alegando que o cavalo era o ganha pão dele. Então sugeri que ele mesmo puxasse um carrinho como os demais catadores de papel fazem, e não usar um cavalo. Ele é esperto e os outros são bobos, além disso, existe uma lei que proíbe essa conduta. Argumentei também que o cavalo estava precisando de cuidados veterinários e ele respondeu que realmente precisava, mas que ele não tinha condições de pagar os custos.
Pedi que ele me entregasse o animal que eu iria providenciar esses cuidados e, se não me entregasse o cavalo, eu chamaria a policia e em seguida faria um boletim de ocorrência (BO) por omissão de auxílio veterinário, que caracteriza maus tratos (crime federal). Após esses argumentos, ele pediu para ler e entrou na casa. A família já de imediato me pediu para que levasse o cavalo, pois ele não tem condições de cuidar do animal. Ao voltar, para minha surpresa, ele me autorizou a levar o cavalo. Por fim, deixei o informativo com ele resgatando o animal.
Busquei auxílio veterinário. Além de o cavalo estar raquítico, anêmico e os cascos todos gastos por trafegar no asfalto sem ferraduras, uma das patas estava tão inflamada que estava até com bicheiras, como mostra fotos anexadas.
Mais um gigante resgatado de um APROVEITADOR, que usou e abusou do animal !!!



Ersom